Escolha uma cor para o fundo:  

Exatamente Como Predito na Profecia de Ezequiel 38 e 39, o Irã (a Antiga Pérsia) Está Entrando na Órbita da Rússia

Recursos úteis para sua maior compreensão

Título do Livro 1


Título do Livro 2


Título do Livro 3

De acordo com Ezequiel 38 e 39, o Irã (a antiga Pérsia) marchará com a Rússia e algumas nações européias contra Israel nos últimos dias. Essa aliança entre o Irã, a Rússia e a Europa está sendo formada atualmente por causa das ferozes ameaças norte-americanas contra as intenções nucleares do Irã! Estamos vendo o início do cumprimento dessa profecia bíblica nas notícias do dia-a-dia!

A Nova Ordem Mundial está chegando! Você está preparado?

Compreendendo o que realmente é essa Nova Ordem Mundial, e como está sendo implementada gradualmente, você poderá ver o progresso dela nas notícias do dia-a-dia!!

Aprenda a proteger a si mesmo e aos seus amados!

Após ler nossos artigos, você nunca mais verá as notícias da mesma forma.

Agora você está na
"THE CUTTING EDGE"


Esta interessante história começou em janeiro de 2002, quando o presidente Bush anunciou seu famoso "eixo do mal" de nações — e declarou seu intento de alcançar uma "mudança de regime" nessas nações em todos os três casos. Vamos rever essa história:

Resumo da Notícia: "Bush coloca o Irã, o Iraque, e a Coréia do Norte em Aviso de Terror", Yahoo News, 30 de janeiro de 2002.

"O presidente George W. Bush discriminou o Irã, o Iraque e a Coréia do Norte como "um eixo do mal", advertindo claramente os três países que eles poderão em breve se tornar alvos na guerra americana contra o terrorismo. Fazendo seu primeiro discurso "Estado da União" em uma sessão conjunta do Congresso, Bush colocou os três assim-chamados estados rebeldes sob o aviso que os EUA estão preparados para agir, sozinhos, se necessário, contra eles se ameaçarem seu povo, seus vizinhos ou outros."

"Além disso, o presidente disse que os EUA podem suportar o imenso custo de uma campanha militar contra qualquer um dos países, dizendo que o preço de não fazer nada para enfrentar essas ameaças seria catastrófico... 'Todos os países devem saber que a América fará o que for necessário para garantir a segurança de nossa nação... Não vou esperar pelos eventos, enquanto os perigos se amontoam. Não ficarei parado aguardando, enquanto os perigos se aproximam cada vez mais. Os EUA não permitirão que os regimes mais perigosos do mundo nos ameacem com as armas mais destrutivas do mundo', ele disse, lançado um desafio direto."

Todos os três governos souberam imediatamente que o presidente Bush simplesmente os marcou para destruição, um plano que veio a ser conhecido como 'mudança de regime". O presidente Bush não esperou muito tempo para tomar o próximo passo dramático.

Resumo da Notícia: "Forças americanas instruídas a destruir as linhas de suprimento do terror", Charles Laurence, de Nova York, David Wastell e Jack Fairweather, no Kuwait, 24/11/2002, news.telegraph.co.uk.

"Comandos das forças especiais americanas receberam ordens de lançar operações secretas contra linhas de suprimentos de armas para os terroristas e os três países rebeldes referidos pelo presidente George W. Bush como o 'eixo do mal'. Bush assinou uma ordem executiva secreta que deu às forças especiais autoridade sem precedentes para combater e, se necessário, destruir fornecedores de armas que ajudam os terroristas e quaisquer tentativas de desenvolver armas de destruição maciça."

Nesta era conhecida como "Soberania das Nações", cada país tem o direito inerente e declarado de defender seu próprio território contra a invasão ou ataque de forças estrangeiras. Cada país tem o direito inerente de contra-atacar uma força invasora uma vez que uma força estrangeira colocar os pés no território daquele país. A história está repleta de exemplos em que guerras foram iniciadas quando uma força estrangeira atacou o território de outro país.

Ataques de comandos são considerados uma intrusão no território soberano que é significativa o suficiente para deflagrar uma guerra entre estados soberanos. Assim, quando o presidente Bush sinalizou sua ordem executiva autorizando as forças especiais dos EUA a entrarem no território de um país soberano para destruírem as armas de destruição maciça que se acredita existirem ali, estava efetivamente declarando guerra contra esses países!

O Irã compreendeu esse princípio muito bem, desde janeiro de 2002, e certamente compreendeu em novembro, quando o presidente emitiu sua ordem militar para as Operações Especiais contra esses três países. Por volta de novembro de 2002, quando Bush emitiu sua ordem militar especial, o Irã podia ver a maciça formação das Forças da Coalizão no Golfo e podia ouvir a igualmente maciça propaganda apresentada pela mídia de massa destinada a ganhar o apoio para uma invasão ao Iraque. A escrita feita à mão estava definitivamente na parede.

Em 20 de março de 2003, Forças da Coalizão atacaram pela fronteira entre o Iraque e o Kuwait e, no início de abril, Bagdá caiu. A euforia estava no ar. Os analistas estavam falando eloqüentemente sobre a massacrante superioridade dos armamentos americanos. Neste momento, os principais líderes da Rússia, França e Alemanha reuniram-se em São Petersburgo, na Rússia. Ao fim da reunião, o presidente Putin subiu ao pódio como o porta-voz do grupo. Os comentários dele revelaram que esses três países não estavam impressionados pela superioridade militar americana.

Resumo da Notícia: "Nenhum ataque a outros países, Putin adverte os EUA", Sify News, 12 de abril de 2003.

"São Petersburgo — O presidente russo Vladimir Putin advertiu na sexta-feira a coalizão liderada pelos EUA a não atacar outros países sob o pretexto de promover valores capitalistas e democráticos após ter derrotado o regime ditatorial do Iraque. 'Não vamos exportar revoluções capitalistas e democráticas', disse o líder russo aos repórteres, ao mesmo tempo em que os rumores em Washington dão conta que alguns elementos da administração dos EUA estão ruminando o lançamento de operações militares contra outros países do Oriente Médio. 'Se fizermos isso, vamos terminar em uma ladeira escorregadia de conflitos militares intermináveis. Não podemos permitir que isso aconteça', disse Putin em uma conferência conjunta à imprensa com o chanceler alemão Gerhard Schröeder e o presidente francês Jacques Chirac, após manter conversações com eles."

Essas são palavras duras, vindas de líderes experientes de países poderosos. Esses líderes não fazem esse tipo de ameaça sem considerar seriamente quais serão as conseqüências se suas bravatas forem lembradas e eles não responderem. Estivesse a América agora prestes a atacar de uma maneira que criasse uma "mudança de regime" no Irã e/ou na Síria, a credibilidade da Rússia, da França e da Alemanha cairia para praticamente zero.

Esses três líderes compreendem esse princípio. Portanto, acreditamos que a ameaça é real. Certamente, a Rússia tem a capacidade de enfrentar a temida máquina militar americana, pois dispõe do Armamento Escalar, que é muito mais poderoso do que qualquer armamento que os EUA possuam — um fato que explicamos detalhadamente nos dois artigos sobre o assunto — N1776 e N1776B.

É interessante que durante essa conferência para a imprensa de 12 de abril, o presidente Putin mencionou especificamente somente a Síria, contra quem os altos funcionários do governo Bush estavam fazendo ameaças, e para fronteira da qual as forças americanas deslocaram tropas e tanques. No entanto, as advertências de Putin poderiam igualmente se aplicar ao Irã, que é atualmente o maior alvo da ira americana. É com o Irã que a Rússia está fazendo seu lance de enfrentar o poder americano em toda a região.

Na verdade, as ações dela, que aparentemente começaram logo após a advertência de Putin em 12 de abril de 2003, pode ter acabado de dar um xeque-mate no poder americano na região. Explicamos essa realidade no artigo N2003, "Um Xeque-Mate da Rússia no Oriente Médio?".

Se você ainda não leu esse artigo, pedimos que faça isso agora, pois uma compreensão de como a pressão americana levou o Irã (a antiga Pérsia) aos braços peludos do urso russo, é crítico para compreender as implicações proféticas. Veja, a Pérsia é citada em Ezequiel 38 e 39 como uma das nações que marcharão contra Israel nos últimos dias. O governo que estará no controle naquele tempo terá de ser antiocidental e anti-Israel, precisamente como é hoje. Se o presidente Bush conseguir derrubar o regime atual, instituirá um governo títere, exatamente como acaba de fazer no Iraque; esse governo será pró-Israel e pró-ocidente. Portanto, esperamos que o atual governo iraniano seja protegido pela profecia de Ezequiel 38 e 39 de ser derrubado; os EUA poderão até atacar as instalações nucleares iranianas, mas parece-nos que o governo será protegido de ser derrubado.

O que nos tomou de surpresa foi a intensidade das forças que levaram o Irã ao campo da Rússia, à medida que esse país busca proteção contra o sofisticado armamento dos EUA. Além disso, como a profecia diz que Gomer (as nações européias) estará marchando com a Rússia, a pressão americana sobre o Irã está resultando em forçar a união de três grandes elementos desta profecia: o Irã (Pérsia), Rússia e a Europa (Gomer).

Vamos agora revisar esta maravilhosa profecia que está se cumprindo diante de nossos olhos:

A Invasão Liderada Pela Rússia a Israel — Ezequiel 38 e 39

Vamos agora revelar a verdade profética que o Irã estará aliado com a Rússia quando esta liderar o ataque a Israel, em cumprimento a Ezequiel 38 e 39.

Em Ezequiel 38-38, Deus prediz uma "invasão de Israel nos últimos dias" por uma confederação de forças lideradas pela Rússia. Deus diz que várias nações árabes participarão da força invasora. Ele diz que essas nações serão: Pérsia (Irã), Cuxe (Etiópia), Líbia e a Casa de Togarma (a Turquia).

Uma rápida olhada no mapa do Oriente Médio [http://www.espada.eti.br/images/map_middle_east.gif] revela que essa invasão virá do norte e do sul. A Líbia e a Etiópia invadirão a partir do ocidente, atravessando o Egito e depois vindo pelo sul. As forças russas, juntamente com as iranianas e turcas, virão do norte. Assim, para o observador de fora, parecerá que Israel estará cercado por exércitos hostis. Lembre-se desse fato, pois se tornará muito importante posteriormente neste artigo.

Vamos agora examinar a profecia dos capítulos 38 e 39 de Ezequiel:

"Veio a mim a palavra do SENHOR, dizendo: Filho do homem, dirige o teu rosto contra Gogue, terra de Magogue, príncipe e chefe de Meseque, e Tubal, e profetiza contra ele." [versos 1-2].

Esses versos identificam a Rússia como o principal protagonista da invasão.

  1. A palavra Rosh no texto bíblico original, traduzida como "chefe", é o antigo nome do país que hoje chamamos de "Rússia".

  2. Meseque é a forma-raiz do nome "Moscou".

  3. Tubal é o nome de um dos principais rios da Rússia e da Ucrânia. O rio Tubal é também um dos mais importantes do mundo. [Nota de A Espada do Espírito:: Alguns estudiosos acreditam que Tubal possa ser uma referência à cidade de Tobolsk, situada além dos Montes Urais, na região central da Rússia].

Os versos 4-6 dizem que esse exército será gigantesco. Deus usa expressões como "uma grande companhia" e "Gomer e todas as suas tropas", "grande multidão e poderoso exército" [verso 15], para descrever a dimensão dessa força militar. Ela parecerá ser invencível quando chegar às fronteiras de Israel.

Embora os estudiosos da Bíblia não tenham certeza sobre quando exatamente ocorrerá essa invasão, além de ser "no fim dos anos" [verso 8], "nos últimas dias" [verso 16], alguns acreditam que deverá ocorrer antes de o Anticristo "firmar a aliança" com os líderes religiosos de Israel. Essa invasão poderá ser o gatilho que iniciará os sete anos judaicos do Período da Tribulação.

A base para essa crença é Ezequiel 39:9, em que a Bíblia diz que o povo de Israel não precisará se preocupar em cortar lenha por sete anos, pois poderá canibalizar o equipamento do vasto exército que foi destruído por Deus. Como ninguém acredita que haverá a preocupação de cortar lenha nos primeiros meses ou anos do Reino Milenar de Cristo, então essa invasão e sua sangrenta conclusão precisarão terminar antes do tempo em que o Anticristo firmará uma aliança com Israel, momento em que a Tribulação de Sete Anos iniciará. [Daniel 9:27].

Clarificação Sobre o Início do Período de Sete Anos da Tribulação

Como pode ser isso, você pergunta? O período de sete anos da Tribulação não inicia no instante em que o Anticristo aparecer e iniciar seus "sinais e maravilhas da mentira"?

Não, o Período da Tribulação não inicia nesse momento. Inicia quando o Anticristo convencer os rabinos judeus ortodoxos que ele é o longamente aguardado Messias. Nenhuma pessoa, por maiores que sejam os milagres que opera, poderá conquistar o coração da liderança judaica ortodoxa, a não ser que "cumpra" todas as profecias messiânicas do Antigo Testamento e as falsas expectativas messiânicas criadas pela tradição rabínica.

Os autores ocultistas estão cientes desse fato e elaboraram planos sobre como enganar os rabinos ortodoxos; eles planejam que o Anticristo encene o cumprimento de todas essas expectativas. Peter Lemesurier, autor de The Armageddon Script [leia a resenha), reconhece esse fato. Ele relaciona todas essas expectativas e o modo como o Anticristo as cumprirá.

A questão é: o mundo passará por um período de algumas semanas, meses, talvez até um ano inteiro, entre o tempo em que o Anticristo aparecerá até ser reconhecido oficialmente pelos rabinos judeus como o Messias, permitindo assim que firme uma aliança nacional com Israel.

A Bíblia permite esse cenário? Sim, permite, no sentido que não o proíbe. Em Daniel 9:27, que descreve o início oficial da Tribulação de sete anos (uma semana judaica), não vemos nenhuma menção sobre o período entre o aparecimento do Anticristo e a confirmação da aliança. Entretanto, a existência desse período não é proibida nas Escrituras. Além disso, os estudiosos conhecem os judeus bem o bastante para saber que eles nunca aceitariam alguém como o Messias sem que cumpra essas expectativas bíblicas e da tradição judaica.

Daniel 7:7-8 lança mais luz sobre o assunto. Nessa passagem, Deus diz que o aparecimento do Anticristo será precedido por uma reorganização global em dez supernações, cada uma com seu líder. Apocalipse 17:17 é uma passagem paralela, que revela que esses dez líderes estarão executando um plano ativo de unir todo o poder político e econômico do mundo com o propósito expresso de entregá-lo ao Anticristo. Sabemos que esse é o plano da Nova Ordem Mundial. Isso significa que, quando o Anticristo aparecer, todos os líderes das dez supernações anunciarão que estarão entregando todo seu poder e influência a ele. Provavelmente, eles farão isso em uma conferência internacional conjunta de imprensa, com o Anticristo e todos os dez líderes presentes, na qual entregarão as chaves do mundo nas mãos dele.

Com que júbilo o mundo celebrará esse evento! Toda a mídia aplaudirá a decisão, com um entusiasmo nunca visto antes.

No entanto, em Daniel 2:40-45, Deus nos diz que, no pano de fundo dessa exultante celebração, nem tudo estará bem no recém-criado reino do Anticristo. Nessa passagem, Deus nos diz que o reino de dez nações será parcialmente forte como o ferro e parcialmente fraco como o barro. Como o ferro e o barro não combinam bem, e como os objetos feitos com o barro são frágeis, quando o peso do reino global for realmente colocado sobre essa estrutura de dez nações, toda a estrutura começará a ruir. Como ocorrerá essa desintegração?

Em Daniel 7:7-8, vemos a única seqüência de eventos que pode nos dizer quão perto estamos do aparecimento do Anticristo. Vamos revisar essa seqüência de três etapas:

  1. No verso 7, Daniel vê a formação dos dez chifres [dez nações].

  2. No verso 8a, Daniel vê outro chifre, um "chifre pequeno" aparecer após o estabelecimento dos dez chifres. Esse chifre pequeno é o Anticristo, como Deus confirma em 7:24-25.

  3. Subitamente, ocorre um cataclismo, que destrói totalmente três das dez supernações. A Bíblia não revela exatamente quais são essas três supernações, mas oferece algumas boas indicações sobre pelo menos duas delas.

Possível Identificação de Duas das Três Supernações Que Serão Destruídas

1. Em Ezequiel 38:1-4, Deus revela que o líder do grande exército que marchará contra Israel nos "últimos dias" será a Rússia. No plano da Nova Ordem Mundial, a Rússia liderará a supernação 5, no plano global de reorganização.

2. Em Ezequiel 38:13, Deus diz que os aliados de Israel não se moverão agressivamente para protegê-lo quando ocorrer essa invasão. Em vez disso, emitirão receosamente um protesto diplomático dizendo: "Vens tu para tomar o despojo? Ajuntaste a tua multidão para arrebatar a tua presa? Para levar a prata e o ouro, para tomar o gado e os bens, para saquear o grande despojo?" Em outras palavras, os aliados de Israel nada farão para socorrê-lo. Neste tempo, Israel sofrerá a maior traição de toda sua vida; além disso, se os EUA se recusarem a vir em ajuda a Israel, sua derrota militar nas mãos dos russos parecerá iminente, inevitável e palpável.

Os estudiosos modernos observam que os Estados Unidos historicamente sempre apoiaram Israel contra a Rússia em diversas ocasiões, desde a formação do Estado de Israel em 1948. Na verdade, em 1973, durante a Guerra dos Seis Dias, o presidente Nixon ordenou que as forças nucleares norte-americanas ficassem em alerta total, pois a Rússia estava ameaçando intervir e já tinha colocado suas forças nucleares em alerta. Em 12 de dezembro de 2001, o presidente George W. Bush obviamente encenou uma foto em que aparecia diante da bandeira iluminista de Israel, que mostra uma estrela de seis pontas. [Leia os detalhes no artigo N1593.] Esse evento encenado demonstrou que Bush é tão pró-Israel quanto qualquer um de seus predecessores.

Os líderes americanos sempre apoiaram Israel, independente do que o resto do mundo pensasse a respeito.

Portanto, neste caso, os estudiosos modernos perguntam, onde estão os EUA aqui? Os Estados Unidos ainda são dominados por líderes judaicos no gabinete ministerial do presidente e os judeus são muito influentes nas eleições em vários estados importantes, como Nova York. Mesmo considerando-se a óbvia preferência que os Democratas 'progressistas' mostram pelos árabes, não é concebível que os EUA permitam que um grande exército marche do norte e do sul sem agir para proteger Israel.

No entanto, se os Estados Unidos, como líder do NAFTA, forem destruídos, então poderemos compreender por que os demais aliados de Israel somente emitirão um tímido protesto diplomático em sua defesa.

3. Uma das expectativas messiânicas dos rabinos judeus é que o Messias livrará Jerusalém quando a cidade estiver cercada por exércitos. Jesus fez alusão a essa crença em Lucas 21:20: "Mas, quando virdes Jerusalém cercada de exércitos, sabei então que é chegada a sua desolação." O contexto dessa passagem é a perseguição dos judeus durante a Grande Tribulação. Quando os judeus virem Jerusalém cercada por exércitos, devem saber que a perseguição está muito próxima, e devem fugir.

Jesus aludiu à profecia messiânica contida em Zacarias 12, que descreve Jerusalém cercada e atacada por exércitos e em que Deus promete livrar a cidade eterna pelo seu onipotente poder.

Agora, faço uma pergunta simples: quando o Anticristo estiver deliberadamente "cumprindo" todas as profecias messiânicas para que os líderes judeus ortodoxos o declarem como o Messias, como simulará o sítio de Jerusalém por exércitos e encenará um livramento divino?

A resposta é simples, mas aparentemente ninguém pensou nisso antes.

Quando os exércitos liderados pela Rússia marcharem contra Israel — possivelmente após a Rússia ter destruído o NAFTA e logo após o aparecimento do Anticristo — ela liderará exércitos que virão o norte e do sul. Os líbios e os etíopes constituirão o exército que virá do sul, os russos, alguns europeus orientais, os turcos e os iranianos formarão o exército que virá do norte.

Logo antes de Deus destruir esses exércitos, os judeus verão que Israel e sua amada cidade de Jerusalém estão cercados por exércitos. Eles estarão esperando que o Messias os livre, de acordo com a profecia bíblica. Haverá um candidato óbvio a Messias, que está percorrendo Israel, afirmando ser o Messias, e cumprindo diversas profecias messiânicas. Os olhos de todos estarão sobre ele para ver se poderá livrar Jerusalém sitiada de exércitos.

Será o teste final, o teste do ácido para provar se o homem que afirma ser o Messias judaico é realmente o Messias nacional, por quem eles estão esperando há tanto tempo. Além disso, desde o momento em que aparecer, o Anticristo terá sua base de operações em Jerusalém. Para ser declarado o Messias judaico, ele não poderia ter sua base em nenhum outro lugar. Portanto, quando os exércitos se aproximarem das fronteiras de Israel vindos do norte e do sul, o nervosismo e a irritação no gabinete do Anticristo deverão ser muito grandes. Afinal, a Rússia acaba de aniquilar os Estados Unidos, o Canadá e o México [o NAFTA] e provavelmente terá destruído também outra supernação. Agora eles estão a caminho para destruir o próprio Anticristo e tomar o controle do mundo para a mãe Rússia.

Provavelmente, o Anticristo estará ardendo em ira, tomado por um furor indescritível, pois os líderes da Rússia voltaram atrás na decisão de apoiá-lo. Como se atrevem a destruir o consórcio de dez supernações que foi planejado meticulosamente por tanto tempo e executado com perfeição?

No entanto, o Anticristo também deverá ser cheio de medo e esperando pelo pior. Ele não dispõe de um arsenal de armas de destruição em massa comparável com o da Rússia, nem tem como utilizá-lo. Sem os Estados Unidos, a Rússia e a China são King Kong, mas a China ainda não estará marcando presença ali, pois sua decisão de ocupar o Oriente Médio e Jerusalém será tomada somente dentro de mais sete anos.

Quando Deus intervier e aniquilar a Rússia e todos seus exércitos aliados, como prometeu fazer em Ezequiel 38:16-23 e no capítulo 39, os povos do mundo em geral, e os judeus especificamente, creditarão o livramento ao Anticristo! Eles dirão, "Meu Deus, ele realmente livrou Jerusalém dos exércitos que a sitiavam!" Como o Anticristo já "cumpriu" muitas outras profecias e expectativas messiânicas, os líderes judeus ortodoxos não perderão tempo e declararão que ele é o Messias.

Então, e somente então, permitirão que ele venha à mesa de conferência para "firmar a aliança", iniciando assim o período de sete anos de Tribulação.

Você pode ver o quão importante Ezequiel 38-39 é para todo o plano profético de colocar o Anticristo na cena internacional. O Irã é uma das nações que marcharão com a Rússia nos últimos dias. Seu governo de linha-dura é exatamente o tipo que ela precisa para odiar Israel o suficiente para marchar junto com a Rússia. E, desde meados de 2003, o Irã tem procurado a proteção da Rússia contra os EUA. Hoje, o Irã tem sofisticados radares russos e mísseis antiaéreos que também são capazes de abater mísseis cruzeiros.

E, silenciosamente, o Irã sabe que tem proteção do armamento escalar russo — que não tem nada equivalente no arsenal norte-americano.

Tanto a Rússia quanto a Europa estão atualmente deixando bem claras suas intenções de estabelecerem laços com o Irã, diante da tremenda pressão norte-americana para esse país voltar atrás [em suas intenções de desenvolver a bomba nuclear]. Veja diversas matérias de notícias recentes que realmente contam a história:

Resumo da Notícia: "Irã Assina Acordo de Combustível Nuclear com a Rússia", Ali Akbar Dareini, escritor da Associated Press, 27/2/2005.

"Busher, Irã (AP) — A Rússia e o Irã assinaram um acordo no domingo que fornecerá combustível nuclear para o país do Oriente Médio para o funcionamento de seu primeiro reator nuclear — um projeto do qual os Estados Unidos durante anos tentaram fazer Moscou desistir... O vice-presidente iraniano Gholamreza Aghazadeh e o chefe da Agência Russa de Energia Atômica Alexander Rumyantsev assinaram o acordo na central de energia nuclear de Bushehr. A assinatura, que foi atrasada por um dia, veio após os dois altos funcionários visitarem o complexo de 800 milhões de dólares."

Esse acordo significa que a Rússia se comprometeu, não somente a fornecer o combustível nuclear para o Irã poder operar essa central nuclear, mas também em fornecer segurança contra ataques norte-americanos. Essa realidade foi sublinhada pela próxima revelação nesta matéria de notícias. O chefe da Agência Russa de Energia Atômica está falando:

" 'Hoje, um fato novo muito importante aconteceu, o protocolo sobre a devolução do combustível nuclear, que assinamos juntos. Nas próximas semanas muitos técnicos russos chegarão a Bushehr para finalizar a central, Rumyantsev disse após a assinatura." (Ibidem).

Quando os técnicos russos chegarem à central nuclear, estarão sob o risco de morte em caso de ataque americano ou israelense. Se causar deliberadamente a morte de técnicos especialistas russos nessa central por meio de um ataque, o governo Bush arrisca-se a uma confrontação com a Rússia, o que torna esse ataque menos provável.

Além disso, a Rússia não assinou esse acordo, nem enviou seus técnicos para a central nuclear, sem antes ativar seu escudo de defesa aérea sobre o Irã (leia o artigo N2003). Portanto, a Rússia sentiu-se confiante em assinar esse acordo com o Irã, uma ação que realmente significa um "soco no olho" do presidente Bush.

A Europa também parece estar se alinhando atrás do Irã, como indica esta notícia relacionada:

Resumo da Notícia: "Estariam a Europa e a Rússia se Aliando Contra a América com Relação ao Irã?" DEBKAfile Special Report, 1 de março de 2005.

"O conjunto internacional que está dançando em volta do programa nuclear do Irã parece que se reagrupou: A União Européia e a Rússia estão subitamente se alinhando contra a América apenas uma semana após o presidente George W. Bush manter conversações na Europa para acertar as diferenças com ambos. Altos funcionários europeus disseram na segunda-feira, 28 de fevereiro, que não tinham problemas com o acordo que Moscou assinou dois dias antes para vender combustível nuclear para o Irã colocar seu reator nuclear de Bushehr em atividade. O ministro russo das Relações Exteriores, Sergei Lavrov, após conversações com líderes europeus, exortou os americanos a tomarem um papel 'mais ativo' no esforço diplomático europeu com o Irã."

A figura que podemos ter aqui é que a Rússia e a Europa estão coordenando a política externa com relação ao Irã, indo deliberadamente em sentido contrário à política do presidente Bush. As reportagens publicadas na seção de notícias do nosso site indicam que os líderes europeus realmente não compraram a linha de Bush que os EUA e a Europa precisam apenas "perdoar e esquecer". Em vez disso, os 25 membros da União Européia falaram com uma voz unida em contravenção às políticas de Bush. Na verdade, até Javier Solana entrou no ato, advertindo Bush a encerrar sua política de "mudança de regime" apoiada por ameaças de bombardeio contra o Irã.

A União Européia embarcou em uma campanha diplomática separada com relação ao Irã, uma campanha aparentemente muito mais próxima das políticas russas do que das de Washington. O Irã parece estar firmemente na órbita da Rússia e da Europa — e as contínuas ameaças do presidente Bush desde janeiro de 2002 forçaram o país a fazer esse tipo de aliança. Se essa percepção estiver correta, estamos vendo a operação de uma aliança que resultará no cumprimento literal de Ezequiel 38 e 39.

Verdadeiramente, o mundo está diante do precipício do fim dos tempos.



Você está preparado espiritualmente? Sua família está preparada? Você está protegendo seus amados da forma adequada? Esta é a razão deste ministério, fazê-lo compreender os perigos iminentes e depois ajudá-lo a criar estratégias para advertir e proteger seus amados. Após estar bem treinado, você também pode usar seu conhecimento como um modo de abrir a porta de discussão com uma pessoa que ainda não conheça o plano da salvação. Já pude fazer isso muitas vezes e vi pessoas receberem Jesus Cristo em seus corações. Estes tempos difíceis em que vivemos também são tempos em que podemos anunciar Jesus Cristo a muitas pessoas.

Se você recebeu Jesus Cristo como seu Salvador pessoal, mas vive uma vida espiritual morna, precisa pedir perdão e renovar seus compromissos. Ele o perdoará imediatamente e encherá seu coração com a alegria do Espírito Santo de Deus. Em seguida, você precisa iniciar uma vida diária de comunhão, com oração e estudo da Bíblia.

Se você nunca colocou sua confiança em Jesus Cristo como Salvador, mas entendeu que ele é real e que o fim dos tempos está próximo, e quer receber o Dom Gratuito da Vida Eterna, pode fazer isso agora, na privacidade do seu lar. Após confiar em Jesus Cristo como seu Salvador, você nasce de novo espiritualmente e passa a ter a certeza da vida eterna nos céus, como se já estivesse lá. Assim, pode ter a certeza de que o Reino do Anticristo não o tocará espiritualmente. Se quiser saber como nascer de novo, vá para nossa Página da Salvação agora.

Esperamos que este ministério seja uma bênção em sua vida. Nosso propósito é educar e advertir as pessoas, para que vejam a vindoura Nova Ordem Mundial, o Reino do Anticristo, nas notícias do dia-a-dia.

Fale conosco direcionando sua mensagem a um dos membros da equipe de voluntários.

Se desejar visitar o site "The Cutting Edge", dê um clique aqui: http://www.cuttingedge.org

Que Deus o abençoe.

Data de publicação: 16/3/2005
Patrocinado por: L. O. G. — Florianópolis / SC
Revisão: http://www.TextoExato.com
A Espada do Espírito: http://www.espada.eti.br/n2014.asp